Alunos da Uninove desenvolvem projeto em parceria com a AMEO

Projeto da AMEO vence programa do Instituto CSHG
30 de novembro de 2017

Alunos da Uninove desenvolvem projeto em parceria com a AMEO

Grupo reunido no escritório da AMEO

O projeto criado e desenvolvido pelos alunos do curso de Administração, orientado pelo Prof. Me. Peri Santana com a Coordenação da Profª. Dra. Lucimara, da Unidade da Vila Maria, teve como intuito atualizar o folder de doação de cadastro da AMEO. A parceria teve uma ação final que reuniu alunos e público final no Hemocentro da Santa Casa de São Paulo.

A disciplina do Curso de Administração propunha a elaboração de um projeto que trouxesse intervenção social em uma organização do Terceiro Setor. No meio de outras ONGs, a AMEO foi escolhida pela proximidade da funcionária e estudante Wendy Nascimento com a causa.

Grupo reunido no escritório da AMEO

Após a escolha da instituição, os alunos visitaram o escritório da AMEO para pensar a concepção do projeto. No início era necessário entender a história e a causa pela qual a entidade lutava. Para assim, sugerir uma ideia de intervenção que fosse viável e atendesse às necessidades da ONG.

O gerente da organização, Wagner Fernandes expôs as propostas as quais o grupo poderia atuar. Alunos e equipe AMEO decidiram que era hora de atualizar as informações e o layout do folder sobre o cadastro de medula óssea. Segundo o gerente o projeto supriu um serviço que costuma ser caro e que a instituição tem dificuldades em encontrar voluntários para fazê-lo. “No geral, o profissional que atualiza folder custa um dinheiro alto que nós não temos” explica ele. “O melhor do projeto foi que o grupo se dispõe a entender o que queríamos, podemos mexer no texto até todas as alterações necessárias serem incluídas”, conclui.

A diagramação foi feita por um designer voluntário e prezou por manter a informação correta de forma simples e objetiva. Além de criar um folder com conteúdo interessante para o leitor. Segundo os alunos a ideia era criar um marketing tangível e visual, possibilitando às pessoas sem acesso a tecnologia online conhecerem a causa da AMEO e se tornarem doadores.

Alunos no Hemocentro com os folders produzidos

O projeto visava beneficiar não apenas a AMEO, mas também possíveis doadores de medula óssea e a comunidade próxima. Por isso, o grupo se preocupou em divulgar o material para o público final. No dia 25 de novembro, seis estudantes visitaram o Hemocentro da Santa Casa de São Paulo para entregar o resultado do projeto pessoalmente nas mãos dos futuros doadores de medula óssea.

Texto: Andressa Villagra