Uma história de amor que nasceu na Casinha

Por que atualizar seu cadastro de doador de medula óssea?
23 de novembro de 2016
AMEO e Santa Casa convocam para doação de medula óssea maior número de pessoas no Brasil
19 de janeiro de 2017

Uma história de amor que nasceu na Casinha

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Quando a jovem Etiene vinha da Bahia para São Paulo, ela nunca imaginou que pudesse encontrar um amor. A baiana saía de Caculé para fazer tratamento na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Quando a garota foi diagnosticada com Leucemia Mielóide Aguda M2 em 2009, com somente 18 anos ela ficou bem assustada e não foi fácil descobrir que estava com câncer. Após muitas sessões de quimioterapia e meses internada recebeu a notícia que seu irmão era 100% compatível.  E em 30 de junho de 2009 ela fez o transplante de medula óssea.

Nessa época, Henrique nem estava doente.  O paulistano foi diagnosticado com Leucemia Linfóide Aguda T em 2012, quando tinha apenas 16 anos.  Ele fez todo o tratamento na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Passou por várias sessões de quimioterapia, foi internado, chegou a ficar uma semana em coma e teve uma recuperação difícil. Em 2015 fez um transplante haploidêntico, na época um tratamento novo no Brasil, no qual a medula óssea foi doada pela mãe de Henrique, 50% compatível com ele.

Etiene conheceu a AMEO em 2014, por meio de uma amiga paciente, Wendy Nascimento, que divulgava diversas postagens nas redes sociais dela.  Assim, Etiene passou a acompanhar o trabalho da Associação da Medula Óssea através do Facebook. Um dia, quando veio a São Paulo para uma consulta, ela entrou em contato com a Assistente Social da Casa de Apoio e ficou hospedada lá durante sete dias, aguardando a consulta de retorno.

Henrique também conheceu a AMEO por meio de um paciente que frequentava a Casa de Apoio. Então a relação entre ele e a organização só aumentou. “A AMEO foi muito acolhedora quando precisei. Como na falta de medicamentos e auxílio transporte. Além das doações de cestas básicas que me ajudaram muito, pois parei de trabalhar por um longo período. Fora que a entidade realiza festas em dias comemorativos que faz a alegria dos pacientes” conta o garoto.

E é aqui que a história desses dois pacientes se cruza. A Casa de Apoio foi palco para o romance começar. “Graças a Ameo eu conheci o amor da minha vida” relata o garoto. Etiene conheceu primeiro a mãe de Henrique, enquanto ele ainda não havia feito o transplante. Elas ficaram amigas. “Troquei diversas experiências com ela sobre o transplante. Ela falou que o filho não queria fazer o transplante, então eu disse que seria mais seguro” relembra Etiene.

A mãe de Henrique gostou muito de Etiene e passou a falar dela para o filho. Logo os dois jovens ficaram amigos no Facebook. Depois de muitas curtidas e comentários, migraram para o Whatsapp, um aplicativo mais pessoal. E o relacionamento só cresceu. A afinidade foi tanta que o namoro começou mesmo a distância, em dezembro de 2015, depois que Henrique se declarou à amada.

Em mais uma consulta em São Paulo, Etiene veio de Brasília, onde estava morando, e ficou na casa de Henrique para os dois se conhecerem melhor. Puderam aproveitar o namoro, agora ao alcance de um toque. Depois dessa visita, tudo mudou. Eles decidiram morar juntos e ela mudou-se para São Paulo.

Arquivo pessoal.

Hoje, Etiene e Henrique são pacientes assistidos pela Casinha. “Sempre que tenho consulta fico na Casa de Apoio esperando dar o horário. Fiz muitas amizades lá, hoje que eu moro aqui em São Paulo, eles fornecem cesta básica e leite, como ainda não estou trabalhando ajuda muito” relata Etiene. “Minha relação com AMEO é de segunda casa, me sinto muito a vontade aqui” ela complementa.

Para eles namorar alguém que já passou por um transplante de medula óssea é ótimo. “Cobramos-nos mais em relação à alimentação, exames, consultas, saúde. O cuidado é maior. Não tenho palavras para descrever o quão bom e gratificante é vê-lo bem. E estar bem para cuidar dele e ele de mim” conta apaixonada Etiene. O casal planeja o casamento para 2017. Henrique diz que o plano para o futuro é “ter nossa família”.

Depois da história de amor crescer e crescer, eles decidiram expandir ainda mais o amor que sentem. O casal se tornou voluntários na AMEO. “Sempre quis ser voluntária acho uma oportunidade incrível de ajudar outras pessoas” revela Etiene. “Ser voluntária na AMEO é maravilhoso, gosto por demais (sic) e quero poder fazer mais pela associação que tanto me ajudou. É um privilégio” conclui a garota.

”Voltar para Ameo como voluntário é gratificante pra mim” afirma Henrique.  “Tenho muito prazer em ajudar, por tudo que já fui ajudado. A doença e tudo que presenciei me fizeram enxergar o quanto eu preciso das pessoas. E elas também precisam de mim” conclui o jovem.

Por: Andressa Villagra

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.